CITinova tem várias iniciativas voltadas à segurança hídrica

O projeto CITinova tem inúmeras iniciativas voltadas à segurança hídrica. Isso porque os desafios enfrentados pelas cidades são imensos para cumprir as metas estabelecidas pela ONU nos ODS, entre eles o ODS 6, que prevê a universalização do acesso à água potável e ao saneamento básico.

De acordo com o Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades – Brasil (IDSC-BR), cerca de 78% dos municípios avaliados terão dificuldades para cumprir as metas estabelecidas pela ODS 6. 

O levantamento, que analisou dados de 770 municípios brasileiros, revela que apenas 16 deles já alcançaram indicadores compatíveis com os previstos pelo ODS 6 até 2030.

Entre os municípios mais bem classificados no objetivo estão Araras (SP), Nova Iguaçu (RJ), Limeira (SP), Santos (SP), São Caetano do Sul (SP), Pinhais (PR) e Balneário Camboriú (SC).  Já entre as cidades mais distantes de cumprir o ODS 6, estão 11 capitais estaduais, entre as quais: Porto Velho, Manaus, Belém, São Luís, Teresina e Natal.

O IDSC-BR foi desenvolvido pelo Programa Cidades Sustentáveis, parceiro coexecutor do projeto CITinova, para mapear, monitorar e avaliar o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em 770 cidades brasileiras, incluindo as capitais dos 26 estados da Federação, além de cidades de todas as regiões metropolitanas e biomas do país. Ao todo, foram utilizados 88 indicadores de gestão relacionados aos diversos temas abordados pelos 17 ODS.

Para análise do ODS 6 – Água potável e saneamento, o Índice utilizou cinco indicadores: população atendida com esgotamento sanitário (%); população atendida com serviço de água (%); índice de perda de água tratada; população atendida com coleta domiciliar de lixo (%); e doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado (por 100 mil).

CITinova e Segurança hídrica

Entre as ações que estão sendo realizadas pelos parceiros coexecutores do CITinova, no Distrito Federal a Secretaria de Meio Ambiente (SEMA-GDF) está implementando vários projetos pilotos na Orla do Lago Paranoá e nas Bacias Hidrográficas do Descoberto e do Paranoá, duas bacias de extrema relevância para o abastecimento e sustentabilidade do DF.

Entre eles, ações de Recomposição da vegetação nativa em Áreas de Proteção Permanente (APPs) de nascentes, cursos hídricos e em áreas de recarga das bacias hidrográficas do Descoberto e do Paranoá; Água Estruturada para irrigação da Bacia Hidrográfica do Descoberto; Sistemas Agroflorestais (SAFs) Mecanizados nas bacias do Paranoá e do Descoberto.

Reflorestamento, Sistema Agroflorestal (SAF) e Água Estruturada: três exemplos de projetos pilotos implemementados pela SEMA-GDF no âmbito do CITinova. Fotos: Arquivo CITinova/SEMA

Em Recife, entre as várias iniciativas do projeto CITinova executadas pela parceira Agência Recife para Inovação e Estratégia (ARIES), serão implementados Jardins Filtrantes na foz do Riacho do Cavouco, localizada no Parque do Caiara, no bairro da Iputinga, Zona Oeste da capital pernambucana. Projetados para ocupar aproximadamente 7 mil m², os Jardins serão responsáveis pelo tratamento de cerca de 10% da vazão da água poluída que desaguará no Rio Capibaribe.

Todos os projetos pilotos apoiados pelo CITinova têm caráter de replicabilidade, ou seja, ficarão disponíveis nas plataformas OICS e PCS e servirão de modelo a serem replicadas em larga escala por gestores públicos de todo o país.

Com informações da equipe de comunicação do PCS.


Foto de abertura Foto: Rony Michaud (Pixabay)

Leia também