Acesse o Diagnóstico de contaminação e proposta de remediação do antigo Lixão da Estrutural do Distrito Federal

O Aterro Controlado do Jóquei ou, como é mais conhecido, o antigo Lixão da Estrutural ocupa uma área de aproximadamente 200 hectares.

O local iniciou-se de forma irregular, na década de 1950, mas passou a ser utilizado oficialmente para deposição de resíduos sólidos, o que durou quase 40 anos.

O depósito já foi listado como o segundo maior lixão a céu aberto da América Latina, chegand a receber uma média de 7,2 mil toneladas de lixo por dia.
Teve as atividades encerradas em 20 de janeiro de 2018, mas ainda hoje acumula mais de 40 milhões de toneladas de resíduos, que formam um maciço enterrado.

Atualmente, funciona como uma Unidade de Recebimento de Entulho (URE), recebendo apenas material seco, com cerca de 7 mil toneladas por dia de resíduos da construção civil.

Através do CITinova e Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), a Secretaria de Estado de Estado do Meio Ambiente do Distrito Federal (SEMA) realizou uma série de levantamentos, estudos e processos de escuta de diferentes setores e atores sociais, que permitiram um diagnóstico ambiental para determinar a extensão da contaminação no ar, no solo, nas águas superficiais e subterrâneas.

Este levantamento oferece informações importantes que podem contribuir para a melhoria da segurança hídrica, o combate às mudanças climáticas, a para melhoria da qualidade ambiental do Distrito Federal, além de subsidiar gestores públicos no enfrentamento dos passivos ambientais existentes.

Confira aqui.

Leia também